segunda-feira, 12 de novembro de 2007

...but the drugs like me.

As grandes empresas dos Estados Unidos (assim como algumas grandes empresas aqui do Brasil) se clamam ambientes "drug free", ou seja, seus funcionários não podem ser usuários de drogas. E para se certificar disso, um teste de drogas é feito na admissão.
Na entrevista de emprego para o hotel que vou trabalhar na cidade de Grapevine, Texas, fui informado disso e fiquei tranqüilo, afinal não sou usuário de nenhum tipo de droga ilícita. E o engraçado é que eu via gente fazendo as contas de quantos dias ainda poderia fumar maconha. Foi divertido...
Esse fim de semana, porém, durante uma orientação preparatória para a viagem, avisaram que o tal teste de drogas não é simplesmente "mijar em um potinho", como a maioria dos "orientados" pensava. É um teste um pouco mais complexo, que consiste em tirar um chumaço de cabelo do vivente, onde se identifica o uso de drogas pelos últimos 3 meses. Teve gente que gelou de medo, pois o teste da urina identifica apenas algumas semanas de uso, mas não 3 meses! 3 meses é MUITO!
E eu, como bom paranóico que sou, comecei a "voltar o filme" e lembrar de todos os momentos em que estava no mesmo ambiente que meus amigos usuários de maconha (porque alguns ficam brabinhos quando eu uso o termo "maconheiro"... hehehe) e me assustei. E se o tal teste identificasse THC na minha corrente sangüínea só porque eu fiquei exposto à fumaça? Eu já me vi perdendo o emprego, o visto e todo o dinheiro que investi, tendo que voltar pra casa feito um fracassado, por causa de um hábito que eu nem tenho.
Não sosseguei: fui pesquisar na Internet como era o tal teste de drogas do cabelo. Encontrei um site oficial que continha uma página de dúvidas mais freqüentes e nela estava a resposta para meu drama. Havia uma pergunta exatamente igual à minha:

"Qual a possibilidade do contato não-intencional do testado com drogas vir a ocasionar um falso positivo?
A perfeita limpeza das amostras de quaisquer agentes externos, seguida da Radioimunoanalise de anticorpos, consiste em um método bastante seguro para a detecção dos metabólicos dos entorpecentes nos fios de cabelo. Porém a preocupação com a possibilidade de falsos positivos levou a Psychemedics a adotar a Gás Cromatografia Espectral (CG) e Espectrometria de Massa (MS) para a confirmação e quantificação dos seus resultados. Estes procedimentos impossibilitam que pessoas que tenham contato ocasional involuntário com drogas (como estar presente em um ambiente com fumaça de maconha, ou manipular cocaína sem no entanto ingeri-la) venham a ser erroneamente considerados usuários de drogas."

Foi como tirar um peso das costas. E isso me fez pensar em como eu tendo a me sentir culpado por aquilo que eu não faço. É quase patológico. Não sou usuário da coisa e fico com o mesmo medo de quem usa freqüentemente, só por estar exposto à fumacinha.

Uma vez me falaram que nervosismo é característica de pessoa responsável. Deve ser por isso.
Ou não.

Um comentário:

minimus disse...

nãã.. nervosismo é coisa de gente paranóica.. tipo eu.. uaheuhae